Quinta, 25 de Julho de 2024
°

Saúde Mundo

China pode ter 900 milhões de casos de covid 19 e mais de 640 mil mortes

Estudo recente da Universidade de Pequim aponta 900 milhões de casos de covid na china e entidades internacionais estimam mais de 640 mil mortes

20/01/2023 às 14h15
Por: PAULO DE OLIVEIRA RIBEIRO Fonte: Gazeta Brasil
Compartilhe:
China pode ter 900 milhões de casos de covid 19 e mais de 640 mil mortes

Há semanas, a China vive um forte surto de casos de COVID, com hospitais em colapso e crematórios incapazes de lidar. No entanto, os números oficiais de mortes por coronavírus relatados pelo regime parecem ser menores do que o previsto. Uma das possíveis razões é que as autoridades mentem nas certidões de óbito.

A mídia britânica Financial Times conversou com parentes de vítimas do COVID na China. A maioria reclama que o regime de Pequim os proíbe de declarar com precisão a causa da morte nas certidões de óbito.

Na semana passada, a Comissão Sanitária Nacional da China anunciou um total de 59.938 mortes relacionadas à COVID entre 8 de dezembro passado, quando as autoridades começaram a relaxar as restrições que mantinham contra a pandemia, e 12 de janeiro deste ano.

A Airfinity , empresa de análise do setor da saúde, acredita que o número de vítimas mortais é dez vezes superior a esse valor, ou seja, 641 mil mortos, estimando-se cerca de 104 milhões de infeções no mês até 18 de janeiro.

De acordo com um estudo recente da Universidade de Pequim, cerca de 900 milhões de pessoas foram infectadas na China.

Em declarações ao Financial Times , seis pessoas que perderam entes queridos nas últimas semanas protestam corroborando que os atestados de óbito não listam a COVID como causa da morte. Em vez disso, eles encontram “pneumonia”, “doença cardíaca” ou outros motivos.

Profissionais médicos que falaram com a mídia britânica denunciaram que as autoridades locais os proíbem de escrever coronavírus em atestados de óbito.

 

Na China, esses certificados são elaborados pelo hospital ou clínica comunitária local ou pelo comitê do bairro, se a morte ocorrer em casa. Em alguns casos, a polícia também pode fazer isso.

Os médicos que falaram com o Financial Times também dizem que as autoridades não os deixam escrever COVID nos atestados de óbito. “Os certificados não podem incluir ‘xinguan’ [COVID-19] esses dois caracteres”, disse um profissional de emergência de uma pequena cidade no sul da província de Guangdong.

“Não entendo, mas foi isso que as autoridades nos disseram para fazer”, disse outro de um grande hospital de Guangzhou.

 

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
Ele1 - Criar site de notícias